Design Tutoriais 1 de março de 2016 | 1 comentário

Como foi introduzido na última semana (leia aqui), o trabalho de artistas e designers na indústria fonográfica enfrentou uma severa mudança no início da década de 80, com a incorporação de um novo formato físico para distribuição dos álbuns. A entrada do compact disc no mercado barateou os custos de produção para os artistas e gravadoras, possibilitando maior divulgação de seus trabalhos, por meio de uma tecnologia mais barata e que rapidamente tornou-se a principal mídia de massa.
Mas com isso, o que antes era uma área de trabalho de 30x30cm para trabalhar (capa de vinil), passou a ser tecnicamente de 12x12cm (algumas embalagens de cd possuem formatos diferentes, como 12x11cm ou 11x11cm). Em uma época onde a internet ainda caminhava para ser talvez a principal forma de compartilhamento, desenvolver os artworks dos álbuns pensando no formato impresso era indispensável. Logo podemos imaginar o quanto fora gritante perder 84% da própria área de trabalho.

vinil
Naturalmente o pensamento lógico e matemático nos vem à cabeça: “mas se a proporção é mantida, basta mudar a escala”. Mas, cada projeto gráfico pode comportar de uma maneira e pedir uma redução máxima para manter os detalhes. É nesse ponto que os designers passaram a se preocupar e em muitas ocasiões, a buscar novas soluções. E então, inevitavelmente chegamos ao ponto máximo de discussão: INOVAÇÃO.
Neste cenário, quero indicar/citar/referenciar um designer que foi uma grande referência pessoal no que diz respeito à metodologia e busca pela inovação como artista gráfico: Stefan Sagmeister. Enquanto a grande maioria lamentava a mudança dos padrões – o que acontece em toda e qualquer área, pois a mudança é sempre reprimida a princípio -, Sagmeister viu na mudança uma oportunidade. Com um formato menor, os custos de investimentos poderiam cobrir novos acabamentos, estruturas e materiais que antes sequer eram postos em questão. A partir de agora, era possível ir além e quebrar os paradigmas impostos pelas limitações do formato tradicional.

Stefan Sagmeister

Stefan Sagmeister

Sua abordagem metodológica chamou a atenção de artistas como Lou Reed, Rolling Stones, David Byrne, Brian Eno e Aerosmith, que apostavam no design como extensão palpável da própria música. Seus trabalhos foram exibidos nas melhores galerias de artes e design do mundo e seus album covers são discutidos como cases de inovação desde a data de lançamento.
Deixo também um trabalho realizado sob esta perspectiva: A de desobedecer os padrões do mercado. É importante aplicar os conceitos de um projeto com a liberdade que a metodologia do design oferece. Se da década de oitenta era arriscado mudar um formato físico, hoje seja arriscado produzir em vinil, novamente. O que não deve ser feito é limitar as possibilidades do profissional.
Case: The Makers – Registro do álbum Tight as a Tie, outono de 2015.

O lançamento do EP da banda The Makers aconteceu com a produção de três produtos de design: Um Livro, Cd e também um Vinil. A partir do conceito, a necessidade pela busca da experiência foi explorada e o resultado você pode conferir no link acima.